gestao_por_competencia

Já pensou se seu emprego fosse um cargo especialmente desenhado para você, visando todas suas competências e habilidades, alinhado com suas motivações e personalidade? Esse emprego dos sonhos não é tão utópico como pode parecer. Para propiciar um ambiente que tenha exatamente esses atributos, a Gestão por Competência vem aumentando entre as empresas e trazendo resultados muito produtivos para todos que participam desta cadeia.

Confúcio, grande pensador e filósofo chinês, traz uma verdade que serve de reflexão e corrobora com os conceitos da Gestão por Competência, “Busque um trabalho que você ame, e nunca mais terá que trabalhar um dia em sua vida”. A ideia é justamente essa, este tipo de gestão adéqua as funções e os cargos às capacidades e personalidade dos colaboradores, tornando-os mais feliz em suas funções e, consequentemente, aumentando a motivação e produtividade.

Para entender bem o que é a Gestão por Competência é necessário saber o conceito por trás da palavra competência, que está baseada na tríade conhecida como CHA – Conhecimentos, Habilidades e Atitudes. O conhecimento está ligado às competências técnicas como a formação, cursos e todo o repertório do profissional, as habilidades englobam as experiências e como a pessoa põe em prática o conhecimento adquirido, já as atitudes representa o lado emocional e de motivações, baseado no querer fazer, identidade e determinação.

Fazer a gestão de pessoas é um dos grandes desafios do ambiente corporativo atual. A mão de obra das empresas é o que realmente reflete sua eficácia e qualidade no mercado, por isso cada vez mais se torna prioritário capacitar e motivar os colaboradores internos, além de reter estes talentos para conseguir ter um verdadeiro diferencial sustentável na organização. Neste ponto, a Gestão por Competências é uma grande aliada. Além de tornar mais clara as responsabilidades de cada função, ela organiza o potencial humano de forma a otimizar todos os processos internos.

A gestão por competências mapeia tudo o que é necessário nas funções e cargos para que estes sejam preenchidos pelas competências dos colaboradores, analisando o quão produtivo pode ser aquele funcionário em determinada função. Após isso, promove o desenvolvimento por meio de treinamentos para que as necessidades técnicas e comportamentais da função sejam atingidas e fortificadas. Por fim, o monitoramento verifica os resultados e faz um prognóstico do profissional para torná-lo mais eficiente ainda.

O RH, que cada vez mais atua como papel estratégico, entende que a competitividade das organizações está muito mais relacionada aos seus talentos internos do que à sua visão de negócios. Dessa forma, é fundamental que a gestão de pessoas atue no desenvolvimento, carreira e remuneração de modo consistente para que a gestão por competências seja efetiva e traga benefício a todas as partes envolvidas: a empresa terá mais competitividade, o colaborador será motivado e produtivo, e os clientes ganham com um serviço ou produto feito com mais qualidade.